sexta-feira, 28 de Novembro de 2014

Bolognesa a Parmigiano


O Animé saiu por razões logísticas (para morar uns tempos sózinho em Berlin e depois na China o que, convenhamos, fica um pouco à desamão). Pela 1a vez esta casa não tem um alemão entre os roomies. Tem sim, uma ragazza de Bolonha e um ragazzo de Parma.
O Parma é o número 30 na lista do costume (aqui). É baterista, não gosta de frutas, vegetais nem peixe mas, 1 semana depois de cá chegar já bebeu sumo de tangerina com bagas Goji e sobreviveu, por isso, vamos ver até quando dura o "não gosto".
Entretanto, Itália está a jogar na cozinha e hoje o jantar é pizza. Eu, como sempre, faço registo fotográfico de momentos para mais tarde recordar.







A minha vida podia ser só isto, mas nao é. Amanha inclui jogging.






sábado, 22 de Novembro de 2014

A ouvir #69 : Song to the moon (Rusalka) - Milada Šubrtová


Os meus conhecimentos de checo reduzem-se ao nome deste blog e meia dúzia de palavras bonitas que nao me ajudam aqui... Felizmente, a música fala todas as línguas. 






domingo, 9 de Novembro de 2014

sexta-feira, 7 de Novembro de 2014

Primês



Das tropelias de criança à amizade adulta forjada ao longo dos anos, aos nicks que só a ti permiti (porque me faziam rir embora dissesse que não), à paixão partilhada pelas artes marciais, aos brindes e segredos bem guardados, aos abraços no aeroporto e ao teu sorriso malandro que conquistava as minhas amigas... tenho saudades de tudo. Primês, a língua que inventámos há muitas conversas atrás e que nunca mais vou poder falar.


Lembro-me de cantarolares esta num almoço lá em casa,
um domingo qualquer, no ano qualquer em que conheci 
Bob Marley através de ti.






quarta-feira, 5 de Novembro de 2014

O que foi feito


dos apertos de mao como deve ser?

Homens que parecem donzelas a cumprimentar quem os entrevista.
Se calhar deviam mudar de pílula.


 (O que me irritam estas imagens animadas? Para lá de bastante.)

PS: Sim, estamos em busca de roomie. Já passou um ano e meio desde o Animé que cresceu e vai para outras paragens. Schuif schuif






terça-feira, 4 de Novembro de 2014

Pensamento de uma aranha no tecto




"Portugal muito beneficiou pelo facto de termos à frente da União Europeia um português, conhecedor da realidade portuguesa, conhecedor do mundo, e com o prestígio de Durão Barroso", afirmou Cavaco Silva antes de entregar ao ex-presidente da Comissão Europeia o Grande Colar da Ordem do Infante D. Henrique. aqui




Barroso só seria um "conhecedor" da realidade portuguesa se o Grande Colar do Infante lhe ficasse apertado no pescoço.






domingo, 2 de Novembro de 2014

Berlin by me #5


Noites bem passadas: shisha, chá e música









quarta-feira, 15 de Outubro de 2014

Até Já



Vou ali matar saudades de amigos, trazer uma de volta a casa (Berlin também é casa), brindar, fazer jogging num local cliché (sem selfies, que o mundo ainda não está todo perdido), cirandar em museus e conhecer gente nova durante uns dias. Um bocadinho de trabalho pelo meio, e voilà :o)






(Se eu podia estar calada porque passo mais de 1 dúzia de dias sem postar nada no blog e sem passeios nenhuns e justificar ausências? Podia, mas o facto de ser meio de outubro e de 30 dias de férias ainda ter 22 por gastar e estar a isto (espaço reduzido entre o indicador e o polegar) de bater mal com o ritmo que tem sido por aqui é razão de sobra para celebrar.)











sexta-feira, 3 de Outubro de 2014

Neste dia em 1990 a Alemanha


voltou a ser uma só!


Ou no noticiário da BBC


Bom feriado numa data não tão estonteante como a que celebraremos no próximo mês mas, ainda, assim, tão crucial como essa.



terça-feira, 30 de Setembro de 2014

Berlinices



Consulta: Medicina do Trabalho
Local: a 45 minutos de casa
Hora: 07:30 AM
Observacoes: nao fui a primeira paciente do dia









quarta-feira, 24 de Setembro de 2014

Fortuna - status (in)variabilis



A., mulher-menina crescida entre as montanhas e a capital do País das Rosas. Filha de pais cujo hobbie principal era o alpinismo, cedo os acompanhou em pequenas aventuras em família. Os desafios maiores eram reservados alternadamente aos adultos e foi com entusiasmo que, adolescente, acompanhou os detalhes da escalada por excelência para todos os amantes da arte: o Evereste - sonho da mãe. Integrada numa equipa experiente, seguiam a bom ritmo combatendo os efeitos secundários e condições extremas com a vontade férrea de vencer. A última vez que teve notícias foi em vésperas da etapa final, coisa de 1-2 dias até ao topo, dependendo das condições atmosféricas. Nunca saberá os metros que faltavam. Fizeram-se buscas, moveram-se céus e terras mas a montanha imensa calou-lhe o paradeiro. Um corpo que nunca foi achado, nunca foi velado nem teve uma morada onde a A. pudesse chorar a mãe. Estranhamente (ou não), a A. nunca abandonou a escalada, o snowboard ou o ski. Aliás, o seu entusiasmo contagiante levou muitos dos nossos amigos às montanhas do país das Rosas onde o pai se dedicou na solidão a guiar aventureiros por trilhos de Verão e Inv(/f)erno. Ontem também ele partiu sem aviso. Sem irmãos para abraçar na dor, com amigos próximos ao longe, saber onde será enterrado reabre uma ferida nunca fechou.
Minha A., sê forte como foste com todas as voltas que a vida te deu. Estamos aqui quando voltares, braços sempre abertos para ti. 










quinta-feira, 18 de Setembro de 2014