terça-feira, 24 de abril de 2012

E não é suposto uma contrapartida? Pergunto eu, néscia da economia?*


O Estado endivida-se em meu nome, em nome de todos os meus compatriotas e ninguém ganha nada em troca. (Ninguém que eu conheça. É, deve ser isso, pois alguém há-de encher o papo.)


E a previsão é que continue a subir, uma vez que as projecções da troika apontam para que a divida pública atinja o pico só em 2013, iniciando a partir daí uma descida progressiva. "




*Da economia e uma data de outros temas importantes.

Observação: Eu escrevo Fevereiro. Se aparece em minúscula no meu blog, é por estar a citar directamente a notícia e eles adoptarem regras parvas. 
 

5 comentários:

Orquídea Selvagem disse...

Contrapartidas?
Há imensas...

- Esta manhã o meu filho saiu para ir à escola. O Estado paga os estudos ao meu filho.

- Ontem fui com a minha mãe ao banco para ela actualizar a caderneta... e pôde confirmar que a sua pensão de sobrevivência estava estava lá depositada atempadamente. O estado através da Segurança Social dá algum apoio financeiro para que a minha mãe possa viver com alguma dignidade na sua velhice.

- Na semana passada a minha sobrinha perdeu o filho que carregava no ventre... teve de ser internada no hospital... e uns dias mais tarde surgiram complicações e foi internada de novo. O estado providenciou construiu o hospital e paga aos médicos e enfermeiras que a trataram.

Também não entendo muito de economia... mas estes foram os exemplos de que me lembrei.


Beijinhos sem pedir contrapartidas! :)

Confuskos disse...

Moral da história (e não estória...) andamo-nos a endividar para pagar a pensão da mãe da OS, os estudos do seu filho e os cuidados médicos da sua família...

...está bem, está!!

E a OS o que nos dá em contrapartida, pergunto!?

Beijinho a ambas, à senhora do blogue e à visada...:P **

Joana disse...

Nós somos obrigados a cortar em tudo e os senhores do governo podem continuar a gastar cada vez mais. É daquelas coisas que não consigo perceber, por mais que tente.

beijinhos

Manuel disse...

Eu devo zero.

Devem-me a mim (facto!), se quiserem começar a pagar o que me devem...aceito.

Pusinko disse...

Orquídea,
Tens toda a razão. Sou, naturalmente, muito mais favorável ao nosso sistema do que o americano (especialmente na educação e saúde). E embora tenha sido um post impensado, a verdade é que o que me levou a publicá-lo foi mesmo atribuirem um valor à dívida de cada português quando literalmente não contraimos essas dívidas. alguém o faz por nós.
Aliás, muito desse valor se deve a uma má gestão de gerações políticas.
Agradeço o teu comentário, que põe peso no outro lado da balança!
Beijos (é o que vale às beijoqueiras... ninguém nos põe uma taxa à beijoquice, senão eu estaria debaixo da ponte ahah)


Confuskos,
Visto por esse prisma... custa-me mais pagar a gente que anda a encher chouriços cadémicos e receber bolsas indevidamente.
Agora que os impostos do povos sejam para suportar custos de saúde das famílias portuguesas (e outras que se integrem na comunidade...)


Joana,
Lá está, há um rio de dinheiro que escorre do leito principal, para os bolsos furados de uns quantos senhores. :/


Manuel,
Eu não sei o que devo, mas também não moro em PT, nem os meus impostos são pagos aí. Até ver...
De resto, que eu saiba devem-me 18 euros. Não é grande fazenda mas já dá para ir jantar fora :)



Beijokas a tutti