sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Percursos de vida & pessoas extraordinárias reais


O DM é americano, puro New Yorker. Estudou Filologia ou algo do género. Não conseguiu emprego e foi conduzir taxis amarelos na grande maçã.
Um dia entrou no taxi uma mulher, com quem encetou uma agradável conversa. Ela ficou tão impressionada que o convidou a ir a casa dela e apresentar-lhe o marido, um  cientista da área da física. O Marido estava stressado com candidaturas a projectos e financiamento. O tempo escoava-se. O DM disse "Eu tenho tempo. Muito tempo" Ofereceu-se para o ajudar a rever conteúdos, escrever novas candidaturas, o que fosse preciso.
Foi tão bem que o Marido lhe ofereceu emprego e o DM deixou de ser um taxista formado em línguistica. Mas não ficou por aí. O DM não aprendeu apenas o funcionamento burocrático, mas sim a matéria, os temas em estudo, a questões científicas.
O DM foi recrutado para um grupo de investigação em NY, onde aprendeu imenso ao integrar vários projectos. O DM programa a uma velocidade estúpida, raciocina ainda mais depressa sobre imagem 3D. Conheci-o através de amigos comuns quando se mudou para esta capital (e das boas) há alguns anos para fazer doutoramento e 2 anos depois de começar já era doutor numa área fascinante para a qual não estudou na universidade. Hoje em dia continua a maravilhar grandes vultos da ciência.
Na sua casa, a cozinha nunca deve ter sido usada. O quarto-sala-escritório tem 4 secretárias em constante uso (nota-se claramente), com pilhas de artigos e revistas especializados. Tem um rádio antiguinho e tamanho xxl de estimação. Dorme numa caminha no canto desse quarto-sala-escritório. É feliz assim. Saimos algumas vezes com o mesmo grupo. Quando fala, tudo em volta pára para escutar. É hilariante e conta imensas piadas quando não está a trabalhar. Tem um ar sinistro, barba espessa que lhe assenta muito bem e evidencia uns olhos azuis imensamente brilhantes por trás dos óculos.

O DM é um génio. Mas podia continuar a guiar taxis amarelos e encantar passageiros.

5 comentários:

CoisasDaGaja disse...

Uau! Que história hein? ;)

AC disse...

Tão cativante...a tua história, e a personagem nela envolvida.
Existem pessoas geniais por aí, muito inteligentes, e com uma capacidade de argumentação e de trabalho impressionantes...

Essa é uma história de sucesso, mas podia não ter sido e o DM continuar na mesma a conduzir táxis amarelos:)

Julie D´aiglemont disse...

A vida deveria ser sempre assim: pessoas geniais serem reconhecidas como tal, mais cedo ou mais tarde.

Joana disse...

Felizmente que o Universo nos brinda com sincronias como está para nos colocar no nosso caminho. É nisto que acredito. POis tudo tem uma razão para acontecer.

Beijinhos

Pusinko disse...

Gaja: É 1 história real, contada por alguém que o conhece de NY e esteve cá também. Ele fala desses tempos, mas sem dar ênfase eme special ao que eu considero impressionante :)

AC: O DM é de rir. Judeu e com o aspecto mais estereotipado possível, fisicamente. Não sei como é possível a física fazer tanto sentido a quem não passou por ela directamente na universidade.. e ser apaixonante. Isso então é qe é um quebra-cabeças! Ahah

Julie: não é muito comum, tens razão. Ser reconhecido pelos seus feitos, e alguns com esta envergadura, nos dias que correm, é complicado, por isso fiz este post, porque ele merece, tal como quem usa l'Oreal :)

Joana: o moço é uma inspiração. Deixou-se levar naturalmente de conduzir uma mulher até ao futuro chefe, depois orientador e passaporte para o que realmente ele deveria fazer na vida :D


Beijokas a tutti