quinta-feira, 16 de junho de 2011

Por favor digam-me qual é a consciência

de uma mulher muito grávida que acha que se consegue enfiar a si, à barriga e ao carrinho com outra criancinha no metro depois da luz vermelha a anunciar que as portas vão fechar e o sinal sonoro apitar? 
Pois claro! Entrou o carrinho e as portas iam-se fechando na barrigona e amassar as têmporas do feto, não fosse o senhor que reagiu a tempo e travou as portas com os braços.

Ainda não tem um puto que anda, já lhe inchou a pança outra vez e mete-se em trabalhos que podiam ter desfechos horríveis?
Será que era o último metro do ano e não podia esperar 5 minutos? Há gente que devia reconsiderar ter filhos à velocidade da luz. Ou a qualquer velocidade.

Phoda-se!

9 comentários:

Margarida disse...

Aí... acho que não há consciência... Digo eu....

teardrop disse...

Bem... a sério, que falta de responsabilidade! Como é que é possível as pessoas terem esse tipo de reacção? E se entrasse o carrinho e ela não?

Pusinko disse...

Margarida: pois não, até me arrepiou aquele segundo que podia ter sido menos bem.

teardrop: sim, foi péssima a titude. Ela ia ser apanhada pelaporta na mesma. E nesse caso haveria gente para tirar o carrinho e contactar as autoridade spara ser entregue, mas não se admite...


Beijokas a ambas

Joana disse...

Como eu tenho amigas que tiveram imensos problemas para engravidar do primeiro e que do segundo engravidaram sem querer, o que fez com que os filhos ficassem com 1 e poucos meses de diferença... não digo nada, pois imprevistos acontecem a todos.

Em relação ao que contas, se calhar a senhora estava com pressa de chegar ao hospital para parir o filho. hehehe...

Beijinhos

Pusinko disse...

Joana: o meu comentário à velocidade de engravidar com um tão pequenino foi mais piada de mau gosto. Eu sei que estas coisas acontecem... e é natural.

Se estivesses lá terias visto que ela se meteu memso numa situação perigosa e ia ficar amassada na barriga e isso é de uma estupidez que não se admite. Pressa a mais resulta em atrasos muito grandes.
Repito que foi o senhor que reagiu a tempo, ninguém mais tinha visto, só eu que estava virada pra lá, mas demasiado longe. Ela mal agradeceu. Se estivesse com pressa teria mencionado isso em modo de desculpa por ter sido tão parva. Um nadinha antes, batia-he nas maos, o reflexo é abri-las e ficava o carrinho com a criança no metro e ela fora...

Fico indignada com estas atitudes irresponsáveis. Mas terminou tudo bem :) E isso é o principal!


Beijinhos

Lost Soul disse...

bem, conheço um que entrou no elevador e como o chamaram, meteu a cabeça de fora... conclusão traumatismo craniano (as portas fecharam e bateram na cabeça, pois....) uns dias de baixa....mas deste é de esperar tudo ó ó

Al disse...

Realmente há com cada coisa!!

Acho que hoje em dia há pais que não estão nada preparados para o serem.

Conheço um caso de uma miuda que engravidou no 12º ano, nada premeditado. Tinha opção de fazer aborto ou ter o bebé. Decidiu ter o bebé e, apesar de não ser o que eu escolheria, apoiaria a decisão dela se ela queria tanto. O problema era a maneira como queria ter a criança: dizia que o bebé não ia mudar em nada a vida dela, que o ia deixar entregue as amas (ela tem bastantes possibilidades), e que ia continuar a fazer tudo o que fazia (ela era um bocadinho irresponsável, saía imensas vezes a noite e fazia da vida o que queria). Isto não é maneira de ter um filho, visto que ela não tem qualquer consciência do que isso implica. A criança ia crescer longe da mãe e ia ser bastante mimada.

Para se ter um filho é preciso maturidade e um grande sentido de responsabilidade, coisa que muitos pais actualmente não têm.

André disse...

Phoda-se mesmo!

@Al -mas não é preciso maturidade nenhuma para se ter um filho, devia-se ter, ou fazer-se como às cadelas e evitava-se acima de tudo... a desgraça das criancinhas que crescem com uns pais desses que se atiram para o metro desta maneira

who's yo' mama?! disse...

Se calhar queria uma cesariana ilícita...