domingo, 8 de dezembro de 2013

Sou figurante numa novela mexicana



Ou... não vejo televisão porque a minha realidade tem ficção que chegue.

Apresentando Tempestades del corazon, a história de Marisol e o quadrado amoroso em busca dA Aliança.


Amorosa e intempestiva (soa a esta que vos tecla, mas nao é), Marisol vai à igreja rezar e cantar todos os domingos. Sonha casar e viver feliz para sempre com o amor da sua vida segundo a lei do Senhor. Casar com alguém especial. Casar com alguém. Casar, simplesmente.
De um lado do Atlântico, teve 2 namoroivos:
Diego, o primeiro, durou 4 semi-estáveis anos. Havia planos de sacramentar a união "he is the one - that's what she said", os quais foram interrompidos por uma crise e daí à ruptura com um final de pratos e copos contra a parede (e muito mais, mas nao entremos nos detalhes psicóticos) foi 1 passinho.
Seguiu-se Esteban, co-protagonista de 3 anos de altos e baixos, amor e amuos em doses iguais, data de casamento no horizonte seguida do clássico "vamos dar um tempo". Voltam a juntar-se e decidem recomeçar do outro lado do oceano, na terra dela. De esperanças renovadas, Marisol arranja novo trabalho e aguarda pelo fim do actual, entretendo-se com datas de partida e burocracias, convidados e enxoval. Neste vai-nao-vai, tocam à porta. Uma mulher e uma adolescente. Ela, ex namorada do liceu diz que não pode mais, a garota de 15 anos está sempre a perguntar quem é o pai. O choque, o horror, exames de DNA, e lá vai Marisol de corazon apertado antes dos resultados sairem, a fim de garantir o novo emprego. Confirma-se a paternidade e Esteban cancela a boda. Afinal, era pai e não sabia, precisa recuperar a filha negada tanto tempo. Grande tempestade de gelo desaba na vida da Marisol, mas a bonança chega através de Alejandro, um limpa-neves emocionais, experiente em matrimónio(s) e ex-mulher(es). Como ela, um homem sem tempo a perder nisto de ter cachecóis no anelar. Casam 5 meses depois do 1o encontro, contra a vontade da família, ex-família, de tudo e todos. Mas o amor é mesmo assim! Só quem não amou à Camões, ousa duvidar dos ímpetos do coração, esse músculo prudente. Hoje, Marisol é mulher, esposa, mãe de 1 bebé e boadrasta de 3 pessoinhas com 16, 10 e 2 anos. Vitória, vitória, acabou a história.

Ahhh! E viveram (os seis) felizes para sempre.


Qualquer semelhança com a realidade, não é coincidência. Na verdade, a protagonista tem outro nome, oculto por 1 questão de privacidade mas, acima de tudo, onde já se viu uma novela mexicana sem (pelo menos 1) Marisol?




3 comentários:

xilre disse...

Mar & sol: pois há lá combinação mais feliz? Deve ser por isso que há sempre alguma, nestas histórias. Com mais ou menos namoroivos/as, com triângulos, quadrados ou tetraedros, com encontros e desencontros -- muito menos agora, na era do FB e dos smartphones, por supuesto... mas todos conhecemos já, algures, protagonistas de histórias como estas. Afinal, a matéria com que se fazem as novelas, é igual em Lisboa, Berlin, ou na Cidade do México. Com mais ou menos mar, mais ou menos sol, o coração continua a ser um músculo (pouco) prudente.

Boa tarde Pusinko. Muito bom.

Pusinko disse...

Xilre,
O nome que atribuí à protagonista é adequado, embora confesse que foi mais o facto de soar latino do que a combinação feliz que o Xilre tão bem apontou. Ainda assim, esta história (verídica) cruza o oceano e vai de um local de beleza fria para um estado beijado por mar & sol :)
Muitas vezes pensamos que a trama de uma novela, tendo fundo real ou não, é "hiperbolizada" por um autor dado ao melodrama que enreda avanços e recuos para fazer render o peixe. Nem todas as histórias reais que inspiram novelas são tão rocambolescas como esta, nem todas as novelas são tão rocambolescas como esta história real. Envolvendo protagonistas e culturas muito diferentes, o combóio de corda bate imprudente em qualquer coordenada geográfica.

Bom dia Xilre!

Ana Vieira disse...

Ai mulher, o que já me ri com a tua novela ahahah!

Amanhã não te livras de me explicar esta novela tin-tin-por-tin-tin, enquanto degustamos 1 (dúzia) de pastelinhos ali para os lados de Belém.

Amo você! ;D