quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Pensamento de uma aranha no tecto





 \lim_{x \to p}f(x) = L

x chegou a p



8 comentários:

Joana disse...

Eu sou numeróloga, mas confesso que estes limites à muito me ultrapassaram.

Beijinhos

Pusinko disse...

Joaninha,
x chegou a p e eu cheguei ao limite cá num assunto. (Mi aguárrdi, viu?)

Beijinhos

Pulha Garcia disse...

Deixa-me que te diga que adoro a cidade em que vives, adorava ser chef e ter um restaurante numa cidade no Norte da Europa (e não é piada nem algo de que tenha propriamente desistido) e que se vais citar Schopenhauer fica a saber a minha preferida dele que é "a vida tem mais imaginação que nós". (que por acaso é muito parecida aquela do "queres ouvir os deuses a rir? Conta-lhes os teus planos", só que esta não sei de quem é, li algures, provavelmente numa porta de wc qualquer)

Pusinko disse...

Pulha,
Bem (e fica a confissão feita), se um dia levares a ideia avante podíamos ser sócios, especialmente se escolheres Berlin. Esta cidade entranha-se, é maravilhosa e ainda não me consigo ver fora dela, embora seja um cenário a considerar um dia.
Não conhecia essa citação como dele mas acho que gostei mais da última. De resto, literatura de wc é mais válida que a maioria das revistas...



xilre disse...

Na perspectiva da mosca presa na teia, o movimento da aranha a tender para o limite é um sinal deveras preocupante...

Boa tarde :)

Pulha Garcia disse...

Beijo para ti, Pusinko. Seria fixe começar um restaurante de comida Mediterrânica em Berlim. Maybe one day.

Pusinko disse...

Pulha,
Nos meus devaneios fora do trabalho, em conversas longas entre amigos e copos, ficava indecisa entre restaurante e café-concerto :)
Qualquer que seja a ideia, Berlin é o local...
Beijo

Pusinko disse...

Xilre,
Não tinha pensado nessa conjugação da rubrica com o conteúdo do post. Gostei!