sexta-feira, 4 de maio de 2012

"May the fourth be with you" *


and be with the Iron Lady.
O Governo de Thatcher começou a 4 de Maio de 1979. 




Nota pessoal sobre o filme The Iron Lady:
Uma lady interpretada brilhantemente por outra, Meryl Streep num filme duvidoso. Eu tinha 7 anos quando a Thatcher deixou funções, não acompanhei in loco, mas sei que ela é um marco a vários níveis (e exemplo em alguns aspectos).
Fui ver um filme que retrata a de-cad/m-ência da Dama de Ferro, quando esperava mais ênfase no Ferro desta Dama. A demência existe. Mas o empenho na doença foi tal, que retirou brilho ao que teria sido um filme magistral. E faz o público sentir-se um bocado idiota (pelo menos, o público com quem fui).


* o título foi de um tweet no Sapo.

9 comentários:

Julie D´aiglemont disse...

Não sabia disto.
Eu fui adolescente na década de 80, pelo que Margaret Thatcher, Ronald Reagan e Gorbachev ainda estão muito presentes na minha memória.

Joana disse...

Eu também esperava mais do filme, mas pelo menos deu para ter uma noção mais clara da história mundial.

beijinhos

Paula Nogueira Guerra disse...

Fiquei curiosa :)

André disse...

A sra thatcher era uma personagem abominável.

A Meryl Streep pelo seu lado... é uma actriz extraordinária, mesmo que neste filme não seja propriamente a sua mais fantástica performance.

Gadreel disse...

isto de políticos...são todos bons rapazes e boas meninas...


beijo

Tio do Algarve disse...

Olá,
Do Almas Mortas mas com muita vida cá cheguei.. Desconhecia esta coincidência. Não fui ver o filme,mas gostei da tua análise. Gerir e tomar decisões à posteriori é sempre o mais fácil, como também é fácil criticar. Recordo-me bem desses tempos, apesar de ser adolescente na altura.

Pusinko disse...

Julie,
Eu vi a expressão num tweet e depois reparei na data numa outra notícia e achei interessante combinar :)


Joana,
Eu também, emboa tenha gostado, senti que houve tanto exforço em fazer o público viajar nos flashes da doença da Thatcher agora, que se perdeu muito encanto da história em si.


Paulinha,
então vai ver :) Não perdes nada... duvido que se perc alguma coisa quando a Meryl Streep faz parte.


André,
Eu não vejo a Thatcher como abominável mas, a ser, merecia um filme contado de outra maneira. E a Meryl Streep portou-se muito bem aqui em termos de interpretação (postura, sotaque...), mas a história é confusa demais.


Gadreel,
Sim... mas daqueles que são tão bons tão bons que, a existir, só entrariam na Barca do Inferno :)


Tio do Algarve,
Ola :)
e seja bem vindo então! Eu reparei nas datas em 2 artigos diferentes e combinei-os porque poucos políticos mereceriam um mantra da Guerra das Estrelas. Independentemente do que a sra. Thatcher fez/deixou de fazer no poder, é um marco na política a vários níveis num momento delicado e algo instável.
Do filme... esperava mais, porque sugaram a força da mulher no seu auge, com tantas misturas com os dias de hoje e todas as falhas/dificuldades associadas à demência. É um mal que pode atingir qualquer um, e passou a ter mais importãncia do que o título do filme. São gostos.




Beijokas a tutti

Joana disse...

Minha querida, tens um miminho no meu blog ;)

Beijinhos e bom fim de semana

Ana FVP disse...

Gostava tanto de ter visto o filme.