terça-feira, 30 de agosto de 2011

Crónicas de 10 linhas: A Lady Gagá

Sou um bocado idiota nestas coisas de moda vanguardista (da clássica ainda sei um bocado), mas tenho para mim que a senhora Gaga nunca desejou que a personagem que tem neste momento se entranhasse tanto em si.

Quando a Madonna chocou o mundo e se manteve firme, acredito (correndo o risco de estar enganada) que muito do que fez e como fez partiu dela e de uma necessidade de ser diferente, desafiar tabus e fazer o que lhe dava na real gana.  E é aqui que reside a diferença, ter voto na matéria. Ao passo que, a Madame Gagá está envolta num circo de pseudo-assexuados que regurgitam visões futuristas parecidas com as que têm sob efeito de ácidos (nunca tomei ácidos, mas diz que não faz bem).

 Há alguns estilistas que só querem cabides de olhos salientes para pintar e passear as suas criações que só assentam em anoreticas*. Agora surge esta nova brisa (de esgoto) que é retirar a feminilidade à mulher, da qual a pobre da Gagá é o expoente máximo. Uma cobaia vestida de espantalho.






*É assim que penso. Da mesma forma que há criadores que enaltecem e embelezam o corpo da mulher e lhes devemos cortes que nos fazem fabulosas. Aqueles cujas criações nunca passam de moda e, mesmo quando que passam, continuam sempre bem.

Não a curto. Mas tenho pena.

9 comentários:

Lost Soul disse...

....este mundinho é mesmo assim...bem, se forem pessoas que gostam de industrial....são coisas do demo...se for esta dama...é fixe...e toda a gente diz que é iluminada...dassss!


tens toda a razão...


beijo

Joana disse...

Eu também não gosto dela. Nem da música que canta.
Acho que a imagem que transmite é tudo uma encenação para ser falada e vender cd. Pelos visto as maior parte da sociedade gosta. :S

Beijinhos

AC disse...

Não gosto do que ela representa, nem do que ela canta....acho-a demasiado excêntrica e chocante...bizarria e moda têm limites:))

Stargazer disse...

Amei o teu post. A frontalidade.

Gosto de algumas músicas dela. Mas não prende. Em concerto, não "agarra". É um produto demasiadamente "enlatado", made in USA. De onde por vezes, vêm muitas aberrações.

O termo "assexuada" assenta-lhe que nem uma luva. Não se define. Não sabe quem é. E isso, num ser humano, e sobretudo numa Mulher, é terrível!

Beijo (contente por estar de volta) :)

. Sofia . disse...

Eu acho-a um doce.
E quem viu o episódio de SYTYCD em que ela foi jurada, acho que me percebe.
Ela é uma pessoa mesmo querida. (Ou engana muito bem. Mas não me parece.)
No entanto, eu concordo com o que dizes sobre a "moda" que ela lançou. Não foi nada feliz. Exagera imenso.
Só que toda a gente a conhece, toda a gente sabe quem ela é e toda a gente sabe o que ela canta. Acho que era essa a ideia dela. Porque quem a ouvia antes de ela ser a Lady Gaga, vê que não tem mesmo nada, nada a ver. E era bem melhor. Mas não vendia.
(Acho que ela tenta aproximar-se do que era antes, quando canta em acústico. Há músicas dela que ficam lindíssimas quando ela apenas usa o piano.)

Blondewithaphd disse...

Comecei por gostar. Neste momento já nem a posso ver. Que enfarte!

pink poison disse...

Quanto a mim, qualquer PinkPoison ou Pusinko ´e bem mais original!

Paula NoGuerra disse...

Essa mulher até é bonita e fica tão feia com essas ideias mais parvas. As ideias da Madonna era tb muito à frente para aquela altura, mas esta abusa... a Madonna via-se e ouvia-se... esta.. bem: ouve-se... algumas!

António Branco disse...

como pessoa parece-me normal, o que é difícil nestes meios. como cantora, não sei se por eu ter crescido com a Madona, gosto muito mais desta, achando a Gaga mais plástica. mas são gostos. que dependem de sensibilidades e de vivências...