quarta-feira, 15 de junho de 2011

Faz-me comichão no céu da boca #9: Os Circos

Fui a poucos. Lembro de ir com a escola no Dia da Criança. Com os pais e o irmão uma única vez. O pai não gostava muito. Preferia levar-nos ao parque infantil XL aos domingos à tarde, ou dar passeios no lago naqueles barquinhos a remos coloridos.
Eu gostava de circos! Tanto da rapariga dos cabelos de ferro, como os leões muito perigosos seguindo a compasso, os palhaços a tocar trompete ou os tigres (que me fascinam desde sempre) ali tao perto e bem comportados. Ahhh quem me dera ter um daqueles em casa! 
A idade permitia a inocência em que vivia e porque eram anos 80, início dos 90. Porque não se tinha noção de muita coisa. Porque ninguém denunciava a verdade dentro das jaulas, dentro dos treinos. 
 Sem poder dar 1 passo
Hoje, não me incomoda que um leão mate o domador, que lhe coma uma perna (embora prefira uma cornada na virilha dos toureiros... gostos). Alguns são tao maltratados, tão injuriados, sem contacto entre si, alimentados deficientemente, com espacos exíguos, doentes, chicoteados e com tantas mazelas que, quem os "treina" deveria levar na boca todos os dias e ter uma morte lenta.
A humilhação que diverte... 
O olhar deste cavalo impressiona-me.

Os domadores, na sua maioria, não demonstram amor e cuidado nenhum com o seu sustento, por muito errado que possa ser o conceito. Há quem, nessa profissao ame os seus bichos e cuide mehor deles. Mas tudo nao passa de domínio sobre a fera, testosterona e orgulho nas palmas que lhe dirigem por fazer um tigre ficar de joelhos a seus pés por 5 segundos. Ou os cãezinhos, cavalos, elefantes, ursos, zebras... É proibir em toda a linha e aplicar multas pesadas. Nao há ASAE nestas coisas? Porque eles vivem assim.

Sou a favor dos circos. Acho uma tradicao a bonita. Admiro muito o que fazem. Nómadas que causam Ahhhhs e Ohhhhhs por onde passam. Malabaristas, acrobatas, meninas ultra-flexíveis, ilusionistas, palhacos e músicos. Saltimbancos tantas vezes contados nos livros. Os Circos, palcos de encontros amorosos e aventuras, crimes e mistérios de outras épocas... Gosto Muito. Sem animais.
JÁ PASSAMOS ESSA FASE, CERTO?

17 comentários:

L.O.L. disse...

Também concordo que se deveriam banir os animais dos circos. E dever-se-ia também banir o "circo" das Touradas.

Pusinko disse...

L.O.L.: É isso mesmo. Este post, #9 e o #3 são sobre isso. Na semana passada fiz um revisited ao #3, apenas porque quero chamar a atenção para estes temas que me revoltam.

Julie D´aiglemont disse...

Concordo em absoluto contigo e com o L.O.L. Beijooooooooooooooo.

António Branco disse...

concordo contigo em relação aos animais.
quanto ao circo em si, só quando o espectáculo é extraordinário, o que não sendo muito frequente, acontece.

Menino Inocente disse...

Hoje em dia a percentagem de circos que maltratam os animais é muito mínima. Os circos estão cada vez mais apertados em relação a esse assunto. Têm associações contra eles, e cumprem rigorosamente as normas de bem estar dos animais, pelo menos os circos europeus e dos países mais desenvolvidos.


Acredito plenamente que nos dias de hoje, é raro o domador/tratador que não estima ou que maltrata os animais. Só está nessa profissão quem realmente gosta, até porque não é um trabalho fácil ou rentável.

É claro que os animais estão presos, e muitas horas confinados a uma jaula/compartimentos, mas a verdade é que nenhum conseguiria viver em liberdade. Nasceram em cativeiro, cresceram em cativeiro, e o mundo fora dessas jaulas/compartimentos é muito assustador para eles, e consequentemente estão muito melhor ali, onde são alimentados, tratados e assistidos por alguém.

É claro que sou contra o maltrato de animais, que isso não esteja em causa. Simplesmente acho que isso é uma coisa do passado nos circos.

Outra coisa, os circos não seriam a mesma coisa sem animais! Os cavalos a correrem e a criarem movimentos tão delicados com aqueles adornos espectaculares... os leões a rolarem no chão, a subirem as "escadinhas", e saltarem o arco em chamas... o elefante em duas patas... e muitos mais!! Tudo isto faz parte das minhas lembranças do circo, e tudo isto faz do circo "o maior espectáculo do mundo!!"

Pusinko disse...

Julie D'aiglemont: Estamos conversadas, então. é um tema que mexe comigo.

António Branco: sim, muito poucos são extraordinários. É difícil ser acima da média.

Menino Inocente: Não são tão poucos os casos assim. Incluindo nos países desenvolvidos. É ver o Reino Unido onde se tem feito muito e, ainda assim, se acham muitos animais maltratados.

Os animais podem ser levados para outros locias. Só quem tem dinheiro para garantir um mínimo de espaço, alimentação e cuidados a estas pobres criaturas, poderia fazer a transição mais lenta.

Houve tempos em que era o meio de animar populações que pouco mais tinham para se divertir. Hoje não se trata disso.
É como expôr pessoas com deficiências graves e raras como em tempos idos... chamavam a atenção! Era justo? Não. Eram considerados bestas.

Os animais selvagens, nascidos em cativeiro e incapazes de vidas independentes não devem ser sujeitos a treinos desta natureza.
Na minha mameória também achava o máximo eles sentarem e rebolarem e baterem palminhas. Hoje incomoda-me muito que ainda seja assim, que sejam submetidos a exercícios repetitidos sob chicote e "gomas" quando acertam. Privados de água para ter maior motivação e receberem água ao excutar correctamente os que lhes mandam fazer.
Sou contra, pronto.
E não acredito que sejam tão poucos os que abusam dos animais selvagens. Antes todos proibidos do que metade maltratada.

Por outro lado entendo bem o que dizes com fazerem falta para tornar o "maior espectáculo do mundo" nisso mesmo. Mas é um questão de hábito... e na próxima geração já ninguém pensará nisso.


Beijokas a ambos

Anónimo disse...

Nem todos são maus, nem todos maltratam. Hoje em dia também existe muito a mania de que tudo é "maltratar animais". Como foi dito, não é sequer uma actividade rentável nem uma vida fácil.
Eu não me lembro de ver os animais doentes e com fome, para estarem tão bonitos de certeza que não era por estarem doentes e com fome ou sede!
Publicam-se uns vídeos sobre a crueldade nos circos e pensa-se logo que é geral...
Vê-se alguém a dar com um um pau no rabo de um elefante sem muita força e já chamam de crueldade, quando na realidade aquilo no bicho é como dar palmadinhas no rabo. Vê-se uma pessoa a dar uma pequena pancada num animal para castigar, é logo crueldade. Quando na realidade aquilo aos bichos não dói quase nada. É apenas castigo, da mesma forma quando se dá uma chapada no focinho ou no traseiro de um cão que se portou mal. Acham mesmo que se os animais fossem assim tão mal tratados, iam portar-se bem e nunca se virar contra os seus donos?
Claro que depois há os que abusam... mas não se deve interpretar todo e qualquer castigo como extremamente doloroso para o animal, até eu já apanhei chapadas quando não aprendia.

Circo sem animais não seria a mesma coisa, e acho que com leis e fiscalizações decentes, pode-se tê-los nos circos. Não é, em muitos casos, pior do que o que se vê nos zoos e ninguém diz nada.

Lost Soul disse...

circos, touradas, luta de animais e afins abomino completamente....quando os referidos donos são atingidos...tipo nas touradas fico com um sorriso de orelha a orelha...

beijo

Pusinko disse...

Anónimo: vários pontos a focas no seu comentário:
Eu não disse que maltratam todos, nem entendo que tudo seja maltratar animais.

Mas diga-me o que fazem aos animais do circo que envelhecem e não podem ser mais úteis ao circo.. Aos animais de shows nos países asiáticos e mal fiscalizados.

A restrição parcial de água aumenta a motivação, isso é um facto. É também um método útil e barato de criar habituação aos treinos e sucesso na aprendizagem.

Eu não dou chapadas no focinho ou traseiros de cães ou gatos para os castigar. Tenho outros métods que entendo menos agressivos e mais eficazes. Da mesma forma que não gosto, nem fui educada a levar no focinho para me castigarem asneiras ou traquinices que fiz.

Acho que é possível subjugar os animais e mantê-los sob a linha do medo, subordinação ao "mais forte" que é quem raciona a comida e tem o chicote na mão. Outros viram-se contra os "donos" e estes até amavam os seus animais com muita pureza... são instintos. A acontecer, prefiro que seja contra alguém que não os respeite, do que o contrário.

Sei que os castigos e a intensidade destes são diferentes à escala animal. Mas, neste momento entendo como uma humilhação, tentar humanizar os animais selvagens e forçá-los a bater palminhas, saltar arcos de fogo ou fazer o pino.
Daí, para mim, não fazerem mais sentido num circo a divertir criancinhas. Uma existência de regras e repetições de movimentos, castrados em toda a sua natureza.

Os zoos, são um caso à parte que tenciono abordar num próximo artigo desta rúbrica. E concordo consigo, pouco se tem feito no sentido de garantir condições básicas.
Já estive em vários e custou-me imenso ver certas situações. Fiquei muito triste. Já referi isso noutras plataformas digitais mas, agora que tenho o blog, acredite que este tema voltará à baila.
Esta rúbrica é muito voltada a esses temas.

Obrigada pelo seu conmentário :)

Pusinko disse...

Lost Soul: Eu não fico aos pulos de felicidades, mas acho que What goes around....... portanto, há alguma ironia na justiça ou retorno das acções. :)

Beijoo

A Minha Essência disse...

Não gosto de ir ao circo! Até porque nem é preciso! Isto porque o circo está montado na sociedade. Para quê pagar bilhete se podemos assistir à borla, hã? ;) (Risos)

Pusinko disse...

A Minha Essência: Muito bem observado! Ahaha, para quê pagar se eles todos os dias nos forçam a assistir a um?


Beijokas!

Cricri disse...

Concordo plenamente...
É verdade que os maus tratos aos animais pode não ser a regra, no entanto por uns pagam os outros, e se a solução para acabar com os maus tratos é acabar com os animais no circo, que assim seja.
A desculpa dos nascimentos em cativeiro é uma falsa questão, existem santuários para animais recolhidos de circos, não vale a pena entrar por aí. E se os nascimentos em cativeiro são uma consequência directa do uso de animais no circo, a sua abolição acabaria com o problema.

Pusinko disse...

Cricri: realmente eu sou uma pessoa muito rica em palavras, Senão não as esbanjariaa torto e a direito.

O teu comentário está tudo o que eu penso em tamanho racional, directo ao ponto.
às vezes gostava de ser mais resumida :x

Obrigada por partilhares a tua opinião.

Beijinhos

Joana disse...

Concordo contigo.

Beijinhos

Pintas disse...

Concordo completamente contigo. Não vou a circos, não me lembro de o fazer e não aguento nada que retire pos animais (-sobretudo selvagens ) da sua "naturalidade". E isto também serve para touradas, pessoas que pintam as unhas e cabelo e vestem cães e gatos, golfinhos e orcas em aquários minusculos treinados para dar uns pinotes, zoos de cimento. Sou radical eu sei , mas para mim os bichos selvagens era em liberdade e acabou.

Ska disse...

Por acaso também me faz alguma confusão os animais no circo.

Principalmente porque acho que não era preciso. Malabaristas e trapezistas, algum tipo de palhaços, ilusionistas, são tudo coisas giras.

E o batatinha à porrada com o companhia.