domingo, 29 de maio de 2011

Nota a alguém


Que eu sou um poço de doçura, sim senhor, não há que enganar.
Agora, pisem-me os calos a ver se a música não muda.



Porque me dedico no meu trabalho, não gosto que tentem passar a perna da pior maneira. Tentou. Se a verdade não fosse como o azeite, tinha-lhe acertado o passo de outra maneira. Passaram 4 anos mas Pusinko não esqueceu. Maneiras que não gosto de fingir que vamos ser amigos se não tenho essa vontade. Não entendo a necessidade de conversa de circunstância ou sorrisos abertos e cremalheiras expostas para dar ares de santidade.  SE nos cruzarmos dentro das fronteiras profissionais, toda a cordialidade. Fora isso, não.

Apesar de tudo agradeço ter-te conhecido. Aprendi muito. Hoje em dia sei zelar bem melhor pelo que faço. Vai pelas beirinhas e não me chateies. O Senhor te guarde, de preferência numa arca congeladora.

8 comentários:

Lost Soul disse...

nestas bandas diz-se de outra maneira...

"a estrelinha que te guie e o ....adiante"""

às 27h no meu blog disse...

Ui se nos pisam os calos... Ai é que a doçura vira fera! ahaha ;)

Isis disse...

Quem escreve assim...escreve muito bem! Manda-o pró...alhinho :)

pink poison disse...

Tal e qual como eu...
beijoca

Joana disse...

Percebo-te. Também não gosto dessas "amizades".

beijinhos

Pusinko disse...

Lost Souls: Também gosto dessa maneira :)

às 27h no meu blog: Muito fera. s´que há coisas que se resolvem por si. E estão resolvidas. Mas não gosto de gente que faz de conta, especialmente depois de me causarem momentos penosos :x

Isis: Mandei em pensamento e em voz alta em português. E a sorrir.

Pink: a gente aprende sempre, não é?



Beijokas a tutti

.:GM:. disse...

Há quem fique chocado com a facilidade com que risco pessoas da minha vida. Aliás, têm de me fazer muitas ou algo mt grave p riscar alguém. Mas estando riscado, é como se nunca tivesse existido. Simples.

Daniela Pereira disse...

eu também sou bastante doce e tendo a tentar sempre ver o lado bom das pessoas, mas se alguém faz borrada da grande, é um nunca mais.